Redirecionamento

20 janeiro, 2013

Produção e Consumo de Cimento no Rio Grande do Norte e no Nordeste

A produção e o consumo de cimento no RN caminham para registrar um novo record histórico. Entre janeiro e agosto de 2012 (último dado disponível), o consumo de cimento no estado havia registrado um crescimento de 24,5% frente ao mesmo período de 2011. Com relação à produção o crescimento foi ainda mais significativo: 110,12%.

Mantido o ritmo de produção e consumo desses oito primeiros meses o ano de 2012 pode se encerrar com um consumo de cimento no Rio Grande do Norte superior a 1 milhão de toneladas (acredito que ficará entre 1 milhão e 1 milhão e 100 mil toneladas). Em 2011, o recorde histórico anterior, o consumo havia sido de 860 mil toneladas.

Já a produção eu acredito que caminha para ficar entre 1.150.000 toneladas e 1.200.000 toneladas, frente a uma produção de 657 mil toneladas em 2011.


No cenário do Nordeste a produção do RN representa 8,62% de todo o cimento produzido na região e o consumo equivale 7,15% do consumo regional, segundo os dados de 2012.

O Nordeste ainda apresenta um déficit na produção de cimento da ordem de mais de 1 milhão de toneladas/ano. Em 2012 somente três estados da região apresentaram produção maior que a demanda: Sergipe, Paraíba e Rio Grande do Norte.

Os maiores saldos estaduais na produção de cimento ocorrem nos estados de Sergipe (onde o consumo equivale a apenas 22% de sua produção) e na Paraíba (cujo consumo é de 47% de sua produção).

Os maiores déficits entre consumo e produção estão nos estados da Bahia, Pernambuco e Maranhão.

Considerando as condições de demanda na região Nordeste e as reservas disponíveis de matérias primas no estado, o RN tem tudo para se consolidar no futuro como um fornecedor líquido de cimento para os demais estados da região. Vale ressaltar que até 2011 o estado tinha uma produção inferior ao seu consumo. Essa situação mudou com a entrada em operação da nova fábrica localizada no município de Baraúna. O estado possui atualmente duas fábrica de cimento, ambas na região oeste do estado, sendo uma em Mossoró (a mais antiga) e a recentemente instalada em Baraúna.


Na região Nordeste a liderança na produção de cimento é do Grupo Votorantim, seguido pelos grupos João Santos, Cimpor e Lafarge.

2 comentários:

Romildo Dantas disse...

muito boa a análise

Romildo Dantas disse...

muito boa a análize